A Coisa tá ficando séria...

Após escrever o texto de ontem, pedi para algumas seguidoras do Twitter lerem antes e dar suas opiniões, e uma delas, leitora do antigo Blog, aproveitou o ensejo e perguntou se eu iria escrever sobre começo de relacionamento, já que estou em um e ela também, achei uma ótima dica, então levei o assunto para uma roda de amigos, não numa mesa de bar como de costume, mas na minha festa de aniversário, e ouvi uns comentários bem interessantes.
E pra quem me perguntou nas Redes Sociais, sim, logo estarei de volta com as Crônicas de Papo de Bar.






Bem, o começo de relacionamento não é um problema, e nunca foi, na minha opinião, afinal, o fogo, o cheiro de coisa nova, aquela atração inicial, o nascimento dos sentimentos, isso é bem bacana.
Agora os sinais de que as coisas estão ficando sérias, isso sim, vale comentar, e numa mesa de amigos ébrios, é um assunto que rende boas piadas e risadas, apesar de todos os fundamentos por trás delas.
Quando comentei isso um amigo perguntou se eu já tinha visto alguns desses sinais, pensei um pouco, pois estava em dúvida sobre com qual deles começar.
Acho que o primeiro sinal que vi, foi quando abri o porta luvas do meu carro para pegar meus óculos escuros, e antes de encontrar, achei uma necessaire de maquiagens, um par de óculos escuros femininos e chocolates. E o carro de um homem, é um lugar sagrado, enquanto ele é solteiro.
O segundo sinal que vi de que as coisas estão ficando sérias, foi numa ocasião, novamente no carro, em que estávamos voltando para casa após eu ter ido buscá-la no trabalho, e enquanto falava com ela, percebi que não prestava a mínima atenção em mim, pois teclava no celular, e quando perguntei com quem estava falando e rindo feito uma boba, ela respondeu que estava rindo de uma mensagem que havia recebido da minha mãe.
Maior sinal que esse último, não há.
Mas tem um que equivale tanto quanto. Uma semana atrás, a van escolar deixou minha filha em casa, e antes mesmo de me dar um beijo, a baixinha perguntou onde estava minha namorada.
Esses foram os sinais que lembrei na hora, mas teve muitos outros, alguns clássicos, como ela ter me reservado duas gavetas no apartamento dela, para eu deixar algumas coisas minhas, ou da vez em que cheguei em casa mais pra lá do que pra cá, depois de uma reunião com uns amigos, e fui tomar um banho e tinha uma calcinha pendurada no registro do chuveiro, que ela alegou ter esquecido porque acordou muito atrasada. Estaria tudo bem, se após isso, eu ainda meio ébrio não tivesse quase vestido uma calcinha que estava perdida entre as minhas cuecas, na gaveta.
Tem também o fato de agora a bancada do meu banheiro ter ao menos uns 15 produtos que antes não tinha. Nem sei mais identificar qual era o shampoo que eu usava.
Além de tudo isso, tem aquilo pelo qual todo casal passa, para alguns são uma tortura, como a primeira reunião de família em que a namorada ou namorado vai com você, e todo mundo se apaixona por ela ou ele logo de cara, aliás, já passei por essa etapa. E até que foi tranquilo, coloquei vodka no meu suco.
E quando você começa a perceber que a pessoa já te conhece bem demais, então?
Esse momento é complicado, quase assustador e, aliás, aconteceu comigo enquanto escrevia esse texto. Perguntei pra minha namorada se ela tinha visto a tinta da minha caneta, o que na verdade era um puro eufemismo que uso com frequência, mas que ela desconhecia, ainda assim ela respondeu com a pergunta correta: “Tinto e suave, seco, ou rosè?”.
Fui obrigado a disfarçar a surpresa, mas que existiu, existiu.
A verdade é que a gente já inicia um relacionamento esperando por cada uma dessas etapas e sinais, por mais surpreendentes, constrangedores, e até assustadores que sejam, porque sem eles, não haveria segurança para seguir em frente, afinal, fica parecendo que não há muito futuro, e que tem alguma coisa errada e faltando.
Então, se você está na mesma situação que eu, não se assuste, faça como eu, apenas tome mais uma dose, e assuma para si mesmo: “A coisa agora ficou séria!”.


Gill Nascimento





3 comentários:

Deixe sua opinião sobre esse texto!

Casuísmo no Instagram