Seja brega...


Eu sempre fui um homem que gosta dos clássicos da vida, na verdade, acho que como a maioria dos homens da minha geração, sou saudoso e um pouco nostálgico, olho para o passado com uma pontada de saudade, às vezes, uma saudade que dói.
Tão triste ver uma maneira moderna de se relacionar surgir, precisando que com isso, as maneiras antigas se tornem obsoletas
Sinto falta de quando beijos, quando não eram roubados, eram conquistados, pois não vejo graça em vê-los serem disputados, contabilizados, apostados e, infelizmente, banalizados.
Sempre houve de um lado a entrega, mas antes havia do outro lado uma conquista, hoje basta haver alguém que queira receber, ou até mesmo esteja disposto a aceitar.
Sinto falta da época em que era mais fácil despir uma alma do que um corpo.
Todo mundo transa, todo mundo faz sexo, muito poucos fazem amor. E se isso for brega, que seja, eu sou brega então. Mas falta cor, falta sentimento e falta emoção em tudo hoje em dia, e isso é triste.
Ser brega, o que é isso?
Dizer que namora ao invés de dizer que “fica” ou “dá uns pegas”, amar além de sentir apenas tesão, é isso que é ser brega?
Então está aí a resposta, o mundo vem precisando urgentemente ser bem mais brega.
Não sei se as pessoas têm parado de sentir, ou se são as coisas que têm perdido seus reais sentidos.
Não me atrevo a dizer que a maneira moderna é errada, ou ruim, e que o jeito antigo é o certo, mas pra que uma caia nas graças, a outra não precisa cair no esquecimento.
Acho que o maior dos problemas é a banalização de quase tudo à que me referi até agora. Chega a ser tanto, que a minha geração, hoje vivendo na casa dos 30 anos, chega a dizer em certos momentos o clichê: “na minha época era bem diferente”, automática e sinceramente, sem estar em nada errado ou mentindo.
Fico imaginando como é para quem nasceu nas décadas anteriores à minha, e viveu a época em que era necessário flertar, depois cortejar, pra, quem sabe, assim conseguir conquistar. Deve ser triste ver as coisas como são hoje em dia.
Mudaram os presentes, mudaram os elogios, não há mais simbolismo, falta equilíbrio, quando não é apenas preto e branco, acaba sendo colorido demais.
Que tudo modernize, afinal, não podemos parar no tempo, mas não deixe o que é clássico se perder.
Sinta se o sentimento vier, o mundo mudou, mas isso não se tornou errado.
Se aventure, mas de vez em quando conquiste, sempre lembrando que uma conquista resulta em “conquistar”, e não apenas em “conseguir”.
O mal do mundo é achar que, no que diz respeito aos sentimentos e as emoções, pode simplesmente abrir mão e desistir, e que tudo vai ficar bem, basta apenas se acostumar com a ausência, e se isso for difícil demais, é só trazer de volta à tona novamente. A verdade é que de tanto a gente desistir dos sentimentos, chega uma hora em que ele acaba desistindo da gente.
Ainda acho que por trás dessa máscara que tanta gente usa, que deixa claro que elas estão evitando sentir, existe a face de um monte de gente que está evitando demonstrar que na verdade sente.
Seja moderno, se divirta, curta a vida, mas de vez em quando seja brega, seu coração vai te agradecer.



Gill Nascimento

2 comentários:

Deixe sua opinião sobre esse texto!

Casuísmo no Instagram