Últimas Notícias

Curiosidade Infantil

Curiosidade Infantil


Estamos em novembro e falta pouco mais de um mês para acabar o ano, e com isso um desespero já me começa a bater. Esse ano de 2017 tive a felicidade indescritível de ter minha filha comigo durante todo o ano, já que a mãe dela foi fazer um curso nos EUA, mas ela volta em janeiro, e já não sei como vou sobreviver quando a baixinha se for.
Claro, que ela não vai pra longe e vou poder vê-la sempre que eu quiser, mas me acostumei com a pirralha por perto todos os dias, bancando a mocinha e querendo tomar conta do pai, botando ordem na casa, e principalmente, fazendo suas perguntas diárias, aquelas típicas de crianças de 8 anos.
Minha filha já me fez cada pergunta que daria pra escrever um pequeno livro fazendo piadas sobre o assunto, mas sempre tem aquelas que se destacam, como a última, quando perguntou quando que a gente sabe que está amando alguém, e ainda exemplificou: “Por exemplo, quando o senhor soube que amava a Ayla?”
Esse é aquele tipo de pergunta que acaba fazendo o contrário, ao invés de a gente responder para a criança, pensamos na resposta e acabamos respondendo para nós mesmos. E foi o que aconteceu comigo.
Comecei a pensar na pergunta dela, incluindo o exemplo que me deu para facilitar, e sinceramente, cheguei a conclusão que a gente sabe que ama alguém quando coisas simples ganham mais significados, quando nossos defeitos e características entram em sintonia com os da pessoa, e quando a gente começa a pensar “Como é que eu me virava sozinho antes?”.
Um exemplo, um dia desses eu cheguei do trabalho mais cedo, minha filha estava na casa da minha mãe e minha noiva ainda não tinha chegado, então peguei batata palito congelada e comecei a fritar, fiz uma jarra de suco, ajeitei o sofá e as almofadas, separei alguns doces, e quando tudo estava pronto eu parei e pensei:
“Caramba, antes quando eu ia assistir uma série eu apenas sentava e assistia, agora virou um verdadeiro grande evento!”
Pensei isso porque na verdade meio que virou uma tradição, toda quarta a gente atualiza as séries juntos, e quis deixar o mais confortável possível, mas meio que foi automaticamente, sem perceber, e naquele monte de coisa que eu fiz, apenas as batatas fritas eram algo que eu realmente gostava, além do evento em si.
Outro caso que pode servir de exemplo aconteceu numa quarta também, após assistirmos nossas séries. Combinamos que deveríamos fazer algo legal no final de semana, pensamos em alguns lugares legais onde poderíamos ir, e decidimos por Campos do Jordão. Na sexta à noite deixamos tudo pronto para pegarmos a estrada logo de manhã no sábado, mas quando acordamos desistimos, porque ambos estávamos com preguiça. Voltamos a dormir é só acordamos a
à tarde, e passamos o resto do sábado e o domingo assim, largados hora na cama, hora no sofá, às vezes acordados, às vezes cochilando. E podem acreditar, foi muito bom.
Em outra ocasião, eu distraído como sou, acabei fazendo a besteira de marcar dois compromissos no mesmo horário, uma reunião com um cliente, e o mais importante, ir buscar minha filha na escola, fui à reunião normalmente, porque minha assistente ficou me lembrando a cada 5 minutos, mas não tinha ninguém pra me lembrar de ir à escola, então acabei esquecendo por ficar totalmente envolvido na conversa com o cliente. Assim que saí do escritório dei de cara com uma mãe e uma criança que puxava uma mochila da Frozen com rodinhas, e pensei “Caramba, estou ferrado!”.
Geralmente, quando marco de ir buscar a Areta na escola, avisamos ao motorista da Van Escolar logo de manhã que não precisa ir no horário da saída, já que minha filha é a única que ele busca na escola em que ela estuda, então na hora bateu o desespero porque imaginei que a baixinha ainda estava lá me esperando, fui correndo, até tomei uma multa nesse dia, mas quando cheguei lá, a Ayla já a tinha levado. Na hora imaginei que minha filha tinha ligado em casa e por isso minha noiva tinha ido até lá, mas quando cheguei em casa, antes de ir falar com a baixinha perguntei:
“- Então amor, você chegou muito tarde lá, quanto tempo ela ficou esperando?”
E pra minha surpresa, na verdade ela chegou 5 minutos antes de tocar o sinal de saída, pois sabia que eu não iria porque viu um papel em cima do criado-mudo onde eu havia anotado o endereço do escritório do cliente e o horário da reunião, e ainda nem contou pra minha filha que eu havia esquecido, disse apenas que eu tive um compromisso de última hora.
Acreditem, não sei como sobrevivia sozinho antes, pois faço esse tipo de coisa com muita frequência, quem me segue no Twitter já deve ter lido muitas histórias sobre os micos que pago e os problemas que arrumo por ser distraído e esquecido.
Mas além disso, tem muitas outras coisas que nos alertam sobre estarmos amando alguém.
Se você é capaz de listar cada defeito da pessoa, e assumir que nenhum deles realmente te incomoda, e que na verdade alguns você até gosta. Jogue a toalha, esse coração não é mais seu.
Se antes de comprar algo pra você mesmo(a), para e pensa: “Será que ela(e) vai gostar?”; desiste, você foi enlaçado. Existem, entre esses, muitos outros exemplos que eu poderia ficar citando aqui até não aguentar mais escrever.
Mas voltando lá ao início, quando minha filha me fez a pergunta, pensei mais ou menos tudo isso em questão de segundos, eu poderia ter dito para ela que a gente sabe porque nos tornamos dependentes, idiotas e esclarecidos ao mesmo tempo, além de citar frases poéticas de alguns dos meus escritores preferidos que cairiam perfeitamente bem na ocasião, mas seria uma resposta muito complexa e longa, então eu apenas disse:
“- A verdade é que um sinal específico que nos avise que amamos alguém, eu acho que não há, mas a gente sempre sabe, e a gente sempre sente, porque, principalmente hoje em dia, não é normal querermos o bem de alguém tanto quanto queremos o nosso próprio, filha, não se preocupe em querer saber o que está sentindo, se for bom apenas sinta e aproveite!”




Gill Nascimento






Talvez você queira ler mais alguns textos parecidos...


 O Jeitinho Feminino de conseguir o que quer!   Questionamento Infantil...   Papo de Bar... Juntando os Panos de Bunda!

10 comentários:

  1. wow, adorei mesmo! Lindo :)
    Essa criança de 8 anos, vai crescer a saber o que é amor, e isso é impagável.

    Claudia
    www.mulherxl.pt

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa baixinha é a razão da minha vida, acho que eu acabo aprendendo e mudando mais com ela do que o contrário ❤

      Excluir
  2. Duas perolas no mesmo texto uma da Areta e uma do Gill. Engraçado é que quando eu tinha a idade dela me esqueceram na escola duas vezes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando eu tinha a idade dela, se me esquecessem eu saía correndo e ia sozinho pra não perder cavaleiro dos Zodíaco kkkkkkkk

      Excluir
  3. Que lindo. Tenho um filho de dois anos. Eu imagino que logo ele comece a fazer essas perguntas incríveis. Quero muito estar sempre perto para poder anotar cada marco da vida linda dele.

    Vidas em Preto e Branco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A minha começou entre os 4 e os 5 anos, mas as perguntas nessa época são mais fáceis, quanto mais crescem, mais difíceis ficam as pergunta kkkkkk

      Excluir
  4. Minha filha tem 6 anos e um dia desses ela me perguntou o que era se o, porque ouviu a palavra na TV, suei frio e mandei ela falar com a mãe hahahahahahahahaha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Imagino que você queira ter escrito SEXO... Cara, no dia que minha filha me perguntar isso eu terei piripaque com certeza!

      Excluir
  5. Respostas
    1. Obrigado Lívia ❤
      Essas pérolas e a relação pai e filha nossa escrevo desde o Blog antigo, e nem é porque acho fofas ou engraçadas, é porque sou um pai babão mesmo, incorrigível kkkkk

      Excluir

Deixe sua opinião sobre esse texto!